terça-feira, 8 de novembro de 2016

[RESENHA] A geografia de nós dois (Jennifer E. Smith)

Ano: 2016 
 Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Galera Record



Sinopse: Lucy mora no vigésimo quarto andar. Owen, no subsolo... E é a meio caminho que ambos se encontram - presos em um elevador, entre dois pisos de um prédio de luxo em Nova York. A cidade está às escuras graças a um blecaute. E entre sorvetes derretidos, caos no trânsito, estrelas e confissões, eles descobrem muitas coisas em comum. Mas logo a geografia os separa. E somos convidados a refletir... Onde mora o amor? E pode esse sentimento resistir à distância? Em A Geografia de Nós Dois, Jennifer E. Smith cria tramas cheias de experiências, filosofia e verdade.


Esse é um daqueles livros que bem levinhos e de sinopse despretensiosa que te conquista pela simplicidade da obra. A premissa é interessante, apesar de ser um assunto já desgastado. A autora consegue trazer inovação ao tema de relacionamentos a distancia com um peso de realidade, mesmo que você nunca tenha passado por algo semelhante, provavelmente irá entender os vários conflitos e obstáculos que um casal nessa situação passa.

Além de abordar sobre os conflituosos problemas de relacionamentos a distancia, a autora retrata de forma clara as adaptações, mudanças, o amadurecimento pessoal através de experiencias vivenciadas. 

Lucy se sente sozinha por morar longe dos pais, já Owen se coloca no papel de dar apoio e estar presente para o pai. A valorização da família é bastante acentuada em certo ponto do livro, e com o passar do tempo percebemos um amadurecimento que floreia em ambos, pelo fato de estarem conhecendo realmente a sua família, preenchendo lacunas que eles próprios impõe. Gostei muito da maneira que a autora trata essa questão, sem duvidas foi um dos pontos mais emocionantes da leitura. 

O romance entre eles é lindo. É fácil e sem peso, acontece de forma natural e quando eles se dão por si, já estão no meio de um relacionamento. Owen é misterioso e intrigante, ele mantem um perfil mais recatado logo de inicio, e com o passar do tempo descobrimos o que leva ele a ser como é. Lucy é solitária, carente por amigos de verdade, e apesar de ter varias pessoas a sua volta, ela ainda se sente sozinha. O romance entre eles acontece de forma gradual (Graças a Deus não é um romance a primeira vista, eca!).

Espero que gostem 

2,3/5



Nenhum comentário:

Postar um comentário