quinta-feira, 2 de março de 2017

[RESENHA] AS CRÔNICAS DO MATADOR DE REIS: O TEMOR DO SÁBIO

“Lembre-se de que há três coisas que todo sábio teme: o mar na tormenta, uma noite sem luar e a ira de um homem gentil.”

O temor do sábio dá continuidade à impressionante história de Kvothe, o Arcano, o Sem-Sangue, o Matador do Rei.

Quando é aconselhado a abandonar seus estudos na Universidade por um período, por causa de sua rivalidade com um membro da nobreza local, Kvothe é obrigado a tentar a vida em outras paragens.

Na continuação da história do nosso querido protagonista temos uma narrativa muito parecida com a do primeiro livro, utilizando de bastante descrição e aproveitando os momentos do cotidiano com maestria. Mesmo o livro continuando bem utilizando artifícios já visto no primeiro, nesse temos novas coisas introduzidas, que fazem com que a história enriqueça cada vez mais, e te faça querer descobrir cada pequeno ponto desse incrível universo de fantasia.

Um dos aspectos melhor utilizados nessa continuação é a exploração de outros níveis sociais, assim como de culturas extremamente diferentes. A exploração social vem através das intrigas politicas de uma corte, na qual kvothe se vê bem no meio, apesar de não entender nada do que se passa, ele acaba aprendendo mais e incrementando suas habilidades já vastas.

A exploração de culturas diferentes é extremamente positiva nesse livro, o autor cria uma civilização 
incrivelmente oposta a que estamos acostumados, a que o próprio Kvothe está acostumado, isso faz com que em cada desconforto que ele passe, cada garfe, surpresa e contemplação seja refletida em nós leitores.

O livro tbm se aprofunda mais nas questões místicas, nos fazendo conhecer mais do mundo dos encantados, através da lendária feluriana, ser que nenhum homem pode resistir, com a qual nosso Edna Ruh tem um encontro que vai mudar muita coisa em sua vida, mas não da forma que vocês estão pensando. Também somos apresentados a mais detalhes sobre o chandriano, mas como de costume no livro, as informações vem dos personagens que compõem o universo, ou seja, pessoas muito supersticiosas que provavelmente nunca viram algo mágico de verda, mas junto com Kvothe, vamos conseguindo juntar algumas peças, mas tudo ainda é um grande mistério.

O livro 2 da saga de Patrick Rothfuss é mais uma obra prima da fantasia, com 900 páginas que podem ser lidas em 2 dias, ele se supera nessa continuação, recomendo fortemente, para os que já leram, só nos resta esperar loucamente pelo terceiro( só espero que não tenhamos que esperar por mais anos), um grande abraço e ótima leitura. (Lauro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário